Wizo Mundial

A WIZO Mundial reúne atualmente cerca de 250.000 voluntárias, em mais de 50 federações espalhadas pelo mundo. O Executivo da WIZO Mundial tem sede em Tel Aviv, Israel.
Sendo uma organização feminina, a WIZO tem como um de seus pilares a luta pela melhoria do status da mulher. Com centenas de projetos e serviços sociais, a WIZO dedica-se a promover e ampliar o bem-estar de todos os segmentos da sociedade, desde crianças da mais tenra idade até idosos, incluindo adolescentes, mulheres e famílias inteiras. Estimula, apóia e encoraja a educação em Israel e na Diáspora, além da preservação das tradições judaicas. A WIZO Mundial está ainda engajada no combate ao antisionismo e o antissemitismo no mundo. Para ver o site da WIZO Mundial clique neste link: http://www.wizo.org.

Histórico da WIZO Mundial

A Organização Feminina WIZO surgiu no dia 11 de julho de 1920, na Inglaterra, por iniciativa de um grupo de mulheres lideradas por Rebecca Sieff, auxiliada pela Dra.Vera Weizmann, Edith Eder, Romana Goodmann e Henrietta Irwel, com o objetivo de melhorar as condições de sobrevivência de mulheres e crianças residentes no Mandato Britânico da Palestina, futura terra de Israel.

rebeca-sieff-1

Ao visitarem os acampamentos na região, em 1919, estas senhoras identificaram as grandes dificuldades e péssimas condições de vida no local. Sensibilizadas, decidiram agir e assim foram criadas as primeiras creches, que cuidavam dos bebês enquanto suas mães ficavam liberadas para trabalhar.

historico-wizo-mundial-2
historico-wizo-mundial-1

Ao longo do tempo, a WIZO foi se adaptando e expandindo suas atividades de acordo com as necessidades do momento. Estabeleceu serviços e instituições para o bem-estar social e
educacional, que mais tarde se tornariam os alicerces para a infraestrutura da sociedade israelense.
Desde o longínquo ano de 1920, quando foi fundada, a WIZO mudou muito, evoluiu, atualizou suas técnicas, ampliou sua abrangência, acompanhou o desenvolvimento do mundo e a criação do Estado de Israel, e, principalmente, esteve sempre presente quando e onde sua atuação se fez necessária.
Com o avanço do totalitarismo na Europa, a WIZO voltou sua atenção também para os judeus ameaçados de extermínio pelos nazistas. Durante a II Guerra Mundial, as voluntárias WIZO salvaram inúmeras pessoas das garras nazistas, levando-as para a Terra de Israel. Ativistas WIZO resgataram sobreviventes do Holocausto obtendo documentos, comprando passagens para tirá-los da Europa, fornecendo alimentação, moradia, roupas e recursos. Restabelecida a paz e com a independência do Estado de Israel, as chaverot WIZO passaram a cuidar dos imigrantes, dando-lhes condições de exercerem a sua cidadania na nova sociedade que se estabelecia.
A força da WIZO logo se espalhou pelo mundo. Na década de 20, vinte e seis Federações foram criadas. No Brasil, a WIZO surgiu em 1926, envolvendo-se diretamente com os imigrantes que chegavam ao nosso país e mantendo vivo o elo com o ideal sionista.
Rebecca Sieff foi a protagonista dos estágios iniciais da WIZO. Lutou para que a sede mundial fosse transferida da Inglaterra para Israel em 1949, após a criação do estado judeu. Vera Weizmann, esposa do primeiro Presidente do Estado de Israel, Chaim Weizmann, foi uma mulher incomum. É de sua autoria a frase: “Coisas difíceis levam muito tempo para serem realizadas, coisas impossíveis levam um pouco mais”.
As presidentes da WIZO Mundial que sucederam Rebecca Sieff foram:
– Rosa Ginossan (1966 – 1970) – Primeira advogada judia na Palestina, ainda na vigência da dominação inglesa. Na época, foi uma das figuras de maior destaque comunitário.
– Raya Jaglom (1970 – 1996) – Chegou a Israel em 1940. Durante os 26 anos em que ocupou a presidência, a WIZO se expandiu para os Estados Unidos, Hong Kong, Budapeste e Praga, adquirindo status internacional na ECOSOC (Conselho Econômico e Social) e na UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), instâncias da Organização das Nações Unidas.
– Michal Modai (1996 – 2004) – Sabra de Jerusalém, vivenciou a realidade israeli lecionando para filhos de imigrantes. Sob sua presidência, foi incentivada a criação de grupos AVIV, de jovens ativistas em todo o mundo.
– Helena Glaser (2004 – 2012) – Foi responsável por iniciativas exitosas em Israel e na Diáspora. Sob sua orientação, a WIZO vem apoiando o enfrentamento de situações graves como violência doméstica e integração de portadores de deficiências, entre outros programas.
– Tova Ben Dov (2012 – 2016) – Nascida em Tel Aviv, é especialista em educação e ciências políticas. Sua prioridade sempre foi a educação, que acredita ser a chave para a transformação de pessoas e para se formar uma sociedade melhor.
– Esther Mor – Eleita para a gestão 2016 / 2020, é a atual Presidente da WIZO Mundial.
A WIZO em Israel
A WIZO em Israel é uma das maiores organizações do país no setor de serviços e constitui uma grande ajuda ao Governo nas áreas social e educacional. Trabalha em conjunto com os Ministérios do Trabalho, da Educação e do Bem Estar Social, emprega cerca de 5.000 pessoas e contabiliza mais de 60.000 beneficiários.

wizo-em-israel-mapa

Opera 800 Instituições e Programas em Israel, de norte a sul do país, trabalhando ativamente pelo bem estar de seus cidadãos. Presta atendimento a bebês, crianças, jovens, mulheres e idosos, independentemente de origem étnica, gênero, idade ou religião. Administra creches, aldeias juvenis, escolas profissionalizantes, clubes para adolescentes, centros comunitários, centros de atendimento à mulher, abrigos para mulheres violentadas, cooperativas de idosos. Proporciona educação, reabilitação, aconselhamento a famílias, ajuda a jovens em risco, apoio psicológico, cursos para mulheres, combate à violência doméstica, assistência jurídica, auxílio a novos imigrantes.

wizo-em-israel-programas